Gastos na pandemia elevam dívida pública a R$ 4,39 trilhões em junho

30/07/2020

A dívida pública brasileira atingiu R$ 4,39 trilhões em junho com os gastos extras por causa da pandemia de covid-19. Houve variação mensal de R$ 139 bilhões (3,27%) em relação a maio. A dívida pública é emitida para financiar o deficit orçamentário do governo, ou seja, para cobrir as despesas que superam a arrecadação com impostos, contribuições e outras receitas. É uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de pagamento do país.

Os dados foram divulgados essa semana pela Secretaria do Tesouro Nacional. Abaixo, a variação do estoque da dívida nos últimos meses:

O aumento do endividamento é impulsionado pelo crescimento das despesas com medidas de combate à crise decorrente da pandemia de covid-19. A atividade econômica está em retração. O governo arrecada menos e emite títulos de dívida para o mercado financeiro. O Tesouro estima desembolsar R$ 509 bilhões ao longo do ano para financiar investimentos em hospitais e o pagamento do auxílio emergencial, por exemplo. Até o momento, R$ 286 já foram desembolsados, segundo o painel de monitoramento de gastos com a covid-19.

MERCADO INTERNO E EXTERNO

A dívida é repartida em interna e externa, sendo que a 2ª é custeada em moedas estrangeiras, principalmente o dólar. Ou seja, o estoque está suscetível à variação cambial. Apesar disso, a maior parte é interna:

  • interna – R$ 4,15 trilhões (alta de R$ 118 bilhões de maio a junho);
  • externa – R$ 239 bilhões (alta de R$ 21 bilhões de maio a junho);
  • Em relação à composição da dívida, houve a seguinte variação:
  • taxa flutuante – participação caiu para 38,2%;
  • índice de preços – participação caiu para 25,9%;
  • títulos prefixados – participação subiu para 30,1%;
  • títulos atrelados à taxa de câmbio – avançou para 5,8%.



Fonte: Poder 360