EUA alerta consumidores que rum e tabaco de Cuba financiam ditadura

03/08/2020

Os Estados Unidos alertaram nesta semana sobre o consumo de rum e tabaco provenientes de Cuba, produtos emblemáticos da economia da ilha caribenha e que serviriam para financiar a ditadura no país. O principal diplomata americano para a América Latina, Michael Kozak, questionou no Twitter estes “luxos” produzidos em Cuba pelo sistema instaurado há seis décadas, desde a revolução de Fidel Castro, e que “não valem seu custo humano”.

“O regime de Castro envelheceu mal. O rum de Cuba era lendário antes do regime roubá-lo para financiar sua repressão”, acusou o vice-secretário de Estado para Assuntos do Hemisfério Ocidental, em mensagens publicadas em inglês e espanhol no Twitter. “Hoje, cada garrafa vendida mantém a ditadura de Cuba no poder por mais tempo. Você ainda consegue desfrutar desse mojito?”, questionou.

Na segunda-feira, Kozak tuitou um foto de um charuto cubano com a legenda: “A economia de Castro se baseia no roubo da propriedade privada e na repressão do povo. O rum e o tabaco cubanos são luxos que não valem seu custo humano. DireitosHumanos #Cuba”. O rum e o tabaco cubanos, tradicionalmente motores da economia da ilha, não podem entrar legalmente no mercado dos Estados Unidos, que mantém desde 1962 um embargo contra Cuba. Desde que Donald Trump assumiu a Presidência americana em 2017, Washington endureceu o bloqueio contra Havana, argumentando violações dos direitos humanos e apoio ao governo de Nicolás Maduro na Venezuela.

Fonte: IstoÉ Dinheiro