Empresários da construção civil estão mais otimistas em relação ao futuro, diz FGV

03/08/2020

O Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 6,6 pontos em julho, para 83,7 pontos, informou nesta terça-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). A melhora do ICST foi puxada pela redução do pessimismo dos empresários do setor em relação futuro, embora também haja a percepção de que o cenário atual está mais positivo do que no auge da pandemia.

O setor da construção que mais recuperou as perdas registradas durante a pandemia foi o de preparação do terreno, que opera em 97,9% do nível observado em fevereiro. Em seguida, vêm as edificações residenciais (93,6%), obras de infraestrutura (90,7%), serviços especializados para construção (87,3%) e edificações não residenciais (85%).

O que diz a FGV: “A atividade da construção deu outro passo em direção à recuperação ao nível pré-pandemia. A confiança cresceu, impulsionada pela retomada das obras e por expectativas mais otimistas em relação à demanda. A percepção em relação ao momento corrente já retornou ao patamar de 2019”, avalia, em nota, a coordenadora de Projetos de Construção da FGV, Ana Maria Castelo.

Preços

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) apresentou variação positiva de 0,84% no mês de julho, uma aceleração quando comparado ao resultado do mês anterior, que registrou taxa de 0,32%. Puxaram a nova alta os índices Materiais, Equipamentos e Serviços (de 0,68% em junho para 0,75% em julho) e Mão de Obra (de 0,0% em junho para 0,92% em julho). Das sete capitais pesquisadas, cinco viram seus índices acelerar. São elas Salvador (de 0,20% para 0,44%), Belo Horizonte (de 0,30% para 0,47%), Recife (de 0,40% para 0,76%), Rio de Janeiro (de 0,31% para 1,80%) e São Paulo (de 0,30% para 1,14%). Houve desaceleração em Brasília (de 0,40% para 0,17%) e Porto Alegre (de 0,38% para 0,23%).

Fonte: Estadão Conteúdo